Projeto finalista do “Sustentabilidade Radix” recupera nascentes e implanta fossa séptica em propriedade rural

Projeto finalista do “Sustentabilidade Radix” recupera nascentes e implanta fossa séptica em propriedade rural

Olhos d’Água, iniciativa do Instituto Terra, trabalhou na recuperação de duas nascentes localizadas em Santa Rita do Itueto (MG)

 

A Radix, empresa de engenharia e software do Grupo Sotreq, lançou em 2015 o programa Sustentabilidade Radix – Vale do Rio Doce. Com o objetivo de ajudar na recuperação da região atingida pelo rompimento de uma barragem em Mariana (MG), a companhia abriu um edital para projetos com foco na área.

 

O programa convidou a participar estudantes de universidades de todo o país, assim como alunos de ensino médio técnico, professores, pesquisadores e técnicos com vínculo com alguma instituição, universidade, empresa júnior ou fundação.

 

Um dos projetos escolhidos foi o Olhos d’Água, do Instituto Terra, fundado pelo casal Lélia Deluiz Wanick Salgado e Sebastião Salgado. A inciativa foca na recuperação de duas nascentes localizadas em Santa Rita do Itueto (MG), nos córregos Ipiranga e Bananal, e também na implantação de uma fossa séptica em uma propriedade rural.

 

Por meio de consultorias, desenvolvimento técnico e aporte financeiro, o projeto recebeu o apoio da Radix e já está concluído. “Com o Sustentabilidade Radix, temos a intenção de ajudar a região atingida, tanto fomentando a economia local quanto na recuperação da área degradada. Acreditamos que essa parceria com o Instituto Terra já é um sucesso e que juntos vamos conseguir ajudar na revitalização do Rio Doce”, explicou Luiz Eduardo Rubião, CEO da Radix.

 

Após mobilizar a comunidade e conscientizar o proprietário rural sobre a importância de recuperar e conservar os recursos hídricos, em especial as nascentes, o corpo técnico do Instituto Terra realizou o isolamento das nascentes e implantou a fossa séptica biodigestora, capaz de tratar o esgoto de uma casa com até cinco moradores.

 

“Aqui na região é comum os proprietários rurais usarem o que chamamos de fossa negra, um buraco no chão que leva o esgoto direto para o lençol freático e contamina. Com o projeto, fornecemos todo o material e ainda ajudamos a instalar a fossa séptica biodigestora”, conta Luciano Suim, Representante do Instituto Terra.  

 

Além disso, o projeto Olhos d’Água ajuda a empregar jovens talentos. Ele conta com a participação de estudantes a partir dos 18 anos, que tenham feito algum curso técnico. No programa, os alunos têm a oportunidade de aprender na prática e são orientados pelos técnicos da instituição. Após o tempo de aprendizagem, mais de 80% deles são empregados na região. Hoje, o Instituto Terra conta com 13 técnicos que trabalham na instituição e que fizeram parte da iniciativa.

 

Comentar