Hyster-Yale Group e Somov apresentam baterias mais sustentáveis que as tradicionais

Hyster-Yale Group e Somov apresentam baterias mais sustentáveis que as tradicionais

 

Tecnologia pode ser utilizada em equipamentos elétricos da marca, como empilhadeiras e paleteiras

 

Todo ano, conferências internacionais, documentários e membros da sociedade abordam a importância de utilizar energia limpa. As energias também têm um papel importante nesse longo caminho, como é o caso da Hyster-Yale Group® (HYG), uma das maiores fabricantes de equipamentos de movimentação de materiais do mundo.

 

Em parceria com a Somov, empresa do Grupo Sotreq e tradicional distribuidora das marcas Hyster e Yale, os equipamentos elétricos fabricados no Brasil terão, como opcional, versões disponibilizadas com baterias de Íon-Lítio. 

 

A versão já é utilizada em outros países, onde a HYG recebeu a renomada certificação da Underwriters Laboratory (UL), principal certificadora internacional de segurança orientada a área eletrotécnica, que atesta e ressalta a importância dos riscos de explosão nas baterias que trabalham “seladas”.

 

“A principal vantagem desta tecnologia é a durabilidade da bateria, uma vez que elas oferecem 24 horas de operação, sem trocas, com a utilização de ‘cargas de oportunidade’, além de uma vida útil três vezes maior do que as comuns”, diz Norival Capassi, Gerente de Estratégia em Equipamentos Elétricos da Hyster-Yale Group®.

 

Para Vinicius Freitas, Gerente Comercial da Somov, a tecnologia é uma tendência que veio para ficar. “Já estamos sentindo uma demanda do mercado e muitos clientes têm gostado de saber que ela traz vantagens, principalmente no que diz respeito ao custo na operação e na produtividade”, exemplifica.

 

No Brasil, a solução está disponível para grande parte do portfólio das marcas Hyster e Yale de empilhadeiras e paleteiras elétricas.

 

Tecnologia superior

As baterias de Íon-Lítio contam com garantia de cinco anos, diferentemente das de chumbo, que têm entre um e três anos. Elas também apresentam turno de duração entre 20% a 30% a mais em relação às seis e oito horas regulares das outras. E mais: as de Íon-Lítio não necessitam de manutenção e a recarga total é feita de forma simples e mais rápida que as demais.

 

Vale a pena detalhar a vida útil dessas baterias, que pode alcançar entre cinco e sete mil ciclos de recarga – três vezes maior quando comparado com os 1.500 ciclos das de chumbo-ácido. Outra vantagem: o descarte pode ser feito sem burocracia, enquanto as de chumbo devem seguir um descarte especial.

 

Mais espaço

As baterias de chumbo-ácido necessitam de uma “sala de baterias”, uma área da planta do cliente. O espaço deve respeitar as normas ambientais e de segurança para guarda, recarga e manutenção das baterias.

 

Com as baterias de Íon-Lítio, “esse armazenamento é praticamente eliminado, pois não há a necessidade de baterias para segundo e terceiro turnos”, comenta Capassi, lembrando que esses modelos reduzem o risco ambiental e de sinistro.

 

São eliminadas também a emissão de gases durante o processo de recarga e o deslocamento e tempo de troca que, às vezes, pode somar entre 15 e 30 minutos dependendo da estrutura e logística disponíveis.

 

Além disso, a utilização de um funcionário destinado para a realização de uma manutenção pode ser avaliada de duas maneiras. Na primeira, o mesmo colaborador pode ser realocado para outra funcionalidade (as baterias de Íon-Lítio reduzem esses serviços com custos fixos e variáveis no manuseio das mesmas). Na segunda, há uma eliminação da exposição à uma área da exposição à uma área de insalubridade devido aos gases tóxicos provenientes da recarga de bateria.

 

 

 

Comentar